8 de abr de 2008

UFMG pela Unicamp

O Carnaval de 2005 me reservou uma série de surpresas. Segunda-Feira, antes da festa começar, saiu o resultado do vestibular da UFMG. Finalmente, após dois anos de cursinho, eu consegui entrar em um curso que realmente queria, numa universidade pública localizada em uma das cidades que mais gosto. Rolou um churrascão, enchi a cara, raspei cabelo e barba, posteriormente a perna, chorei. Foi muito bacana.

Terça de manhã peguei um onibus de Itatiba para Bragança e de lá para Cambuí, minha cidade natal em Minas, com muita felicidade e dois litros de whisk dos bons na mochila. Chegando lá, fui conhecer a casa que alugamos para passar o Carnaval, recebi os cumprimentos de várias pessoas, muita alegria, muita felicidade. Papo foi, papo veio e em 6 enxugamos o Grant´s e o Red. A caixa de cerveja também.

A pingaiada proseguiu pela semana toda. Sairam também os resultados da Casper Líbero e da Unesp, todos comemorados com mais alguns litros de álcool no sangue, mas o ponto culminante foi na Sexta, com o resultado a Unicamp. Cana, pedágio, quase briga e cigarros regaram o dia. Roupas femininas, maquiagem, meia arrastão e mais cana regaram a noite. Dai pra frente foi um Carnaval muito feliz...

Mas em meio a tantos resultados eu tive de fazer uma escolha. Na UFMG existem turmas de primeiro e segundo semestre, ou seja, todos os semestres possuem recepção de calouros. Eu havia passado em 89º lugar de 90 alunos de Comunicação Social, o que me colocava como o penultimo chamado da segunda turma. Na Unicamp não existe isso. As turmas são anuais. Diante da possibilidade de ficar meio ano parado optei, mesmo não sendo minha primeira opção, por Midialogia na Unicamp.

Nunca fui muito seguro quanto a essa escolha. Vez ou outra me pego pensando se seria melhor ter esperado e aproveitado o semestre livre para fazer uma viagem, ou coisa do tipo, e estudar na UFMG. Seriam os professores melhores, assim como o curso? Na minha cabeça sim. Além disso a universidade teria mais recursos e a vida seria mais simples. Certamente tudo isso foi resultado do trote, uma perfeita integração de álcool, amigos e felicidade que a UFMG iniciou. Ontem a noite, entretanto, o Caetano me contou do rolo dos estudantes com a PM-MG e a reitoria e essa merda toda que aconteceu lá dia 03 de Abril. Meu refúgio acadêmico perfeito explodiu...


Douglas