18 de jun de 2007

troca de e-mails

segue-se uma troca de e-mails entre eu e o ombudsman da folha, como diz respeito 'a cobertura da mídia acerca das movimentações nas públicas paulistas achei pertinente publicá-la.

ombudsman@uol.com.br a me

Caros alunos do Instituto de Artes da Unicamp,
muito obrigado pela mensagem.
Encaminhei-a à Redação.
A cobertura da Folha, de fato, é limitada e errante.
Escrevam sempre.
Cordialmente,

Mário Magalhães
Ombudsman - Folha de S.Paulo
Al. Barão de Limeira, 425 - 8o. andar
01202-900 - São Paulo - SP
Telefone: 0800 159000
Fax: (11) 3224-3895
ombudsma@uol.com.br
http://www.folha.com.br/ombudsman/

Manifestação:
----- Original Message -----
Sent: Saturday, June 16, 2007 1:28 PM
Subject: critica à cobertura sobre a greve nas universidades públicas

minha crítica à cobertura da folha e do uol sobre a greve nas universidades públicas paulistas não é o posicionamento dos veículos mas sim a insistência em afirmar que o movimento se restringe à usp. Como exemplo a passeata de ontem foi toda vez noticiada como manifestação dos estudantes da usp, porém envolveu usp, unesp e unicamp. Os eventos em outras univerrsidades não são sequer noticiados. Encaminho também uma carta que enviei com amigos ao painel de leitor para servir de exemplo.
grato, caetano. ctbiasi@gmail.com e www.parouparou.blogspot.com

Somos alunos do Instituto de Artes da UNICAMP e gostaríamos de esclarecer alguns pontos a respeito da matéria "professores da USP encerram a greve e são vaiados por alunos" publicada no caderno Cotidiano do dia 12/06. Em primeiro lugar há um quadro a respeito da situação do movimento nas universidades públicas paulistas, neste é colocado que na UNICAMP professores e funcionários estão em greve em 4 unidades e alunos em situação normal. Tal situação não corresponde à verdade, aqui na UNICAMP ao menos 10 unidades estavam em greve estudantil até o fim do dia de hoje - IA, IFCH, IEL, IE, FE, IB, FEF, IG, Enfermagem e Arquitetura. Sendo assim achamos prudente a correção da informação.
Outra crítica que temos a fazer é sobre qual a razão de se privilegiar a cobertura da assembléia dos docentes da USP (onde relata-se a agressão injustificada por parte de um estudante) e não publicar sequer uma nota sobre a assembléia dos docentes da UNICAMP realizada no mesmo dia onde houve um ato de caráter totalmente oposto ao ocorrido na USP, em que alunos entregaram flores brancas de papel e sementes de girassol aos professores. O ato dos alunos evitou qualquer tipo de confronto e a assembléia ocorreu pacificamente tendo decidido a continuidade da greve docente e contrariando o indicativo de não continuidade aprovado em assembléia anterior.
Acreditamos na necessidade de uma cobertura plena do movimento de greve e que leve em conta a situação de outras universidades e portanto, viemos nos expressar por meio desta carta. .
Gratos,
Caetano T. Biasi - midialogia/IA -
Paula N. Ramos - midialogia/IA -
Beatriz Y. Sano - dança/IA
Fabio Reis - artes visuais/IA
Maina B. Michel - midialogia/IA -
Isabel R. Monteiro - dança/IA -

6 comentários:

cae disse...

essa "diagramação" tosca é cortesia do blogger!!!

cae disse...

problema da diagramação resolvido.

Grama disse...

Hahahaha... 'Limitada e errante'... A cobertura fica vagando por aí?

Grama disse...

Interessante... Se eles sabem que ela é 'limitada e errante', por que já não avisam, reconhecem, isso no próprio jornal, ao invés de se fazerem de donos da verdade? Por que eles não podem se posicionar publicamente, abertamente, apresentando que têm um ponto-de-vista que, como todo ponto-de-vista, pode ser limitado e errante?
Em fechado, nesse e-mail, fica claro que além de não admitirem seu posicionamento, a Folha prefere dizer que sua cobertura é ruim tecnicamente do que admitir sua natureza de ponto-de-vista.
Penso que é importante refletir sobre como essa maneira de proceder da Folha, a negação do condicionamento natural de seus pontos-de-vista, repete-se na sociedade como um todo, não apenas no espaço da mídia, e como seu caráter profundamente ideológico é camuflado.

cae disse...

gostaria de discordar de vc grama, na verdade o pensamento do ombudsman é super coerente. a função dele é fazer a análise crítica do jornal, lembrando que seu posicionamento não é o do editorial do jornal...

Anônimo disse...

as vezes eu acho que o ombudsman serve só pra jogar panos quentes em ânimos mais exaltados....