14 de jul de 2007

Escândalos no pipeline, por Fernando Gabeira

Vão falar que é propaganda política, mas não. Juro que não. Segundo post com o Gabeira em poucos dias. O fato é que o artigo é bom, saiu na Folha de hoje. Trata da corrupção e sobre o desempenho de partidos nanicos. Essa questão dos partido tem me feito pensar muito, principalmente na crise do Renan. Quero escrever sobre isso mas faltam amadurecer alguns pensamentos aqui. Por enquanto fiquem com a companhia do Gabeira.
Abraços, Caetano.

Escândalos no pipeline

SAIO POR duas semanas e vejo escândalos no pipeline. O primeiro deles é das licitações da Petrobras. É preciso cuidado com escândalos que envolvam empresas globais. A competição é feroz. A política correta, creio eu, é antecipar-se aos problemas e encará-los de frente. Depois de uma sucessão de desastres ambientais, Felipe Reichstul aumentou a transparência da empresa e colocou de pé um sistema de previsão de combate de acidentes. Custou R$ 1,2 bilhão, mas compensará.
O escândalo de agora exigirá de novo um passo para a frente. A tática de uma empresa global não pode mimetizar a dos políticos brasileiros. Eles negam, retardam processos, fazem chicanas. Não dão a mínima para a própria reputação. Saio do Brasil de uma certa forma pouco animado com o semestre que passou. Numa frente exigia um determinado tipo de comportamento, em outra tentava aplicá-la no Partido Verde.
Os vereadores de Natal aprovaram um item do plano diretor que destruiria a zona norte da cidade. Pedi a expulsão de quatro do PV. Houve muito choro por isso. A Polícia Federal resolveu o assunto, lacrando a Câmara e prendendo alguns vereadores, comprados pela especulação imobiliária. No carro de um deles, conta a imprensa do Nordeste, havia R$ 5.000 sob o tapete.
Em Minas, a bancada de sete deputados do PV tendia a aprovar um projeto que amplia o foro especial para eles. Justo no momento em PV nacional adere a uma campanha pelo fim do foro especial, iniciada pela AMB. O relatório do Banco Mundial sobre a corrupção no Brasil enfatiza a necessidade de uma resposta. Pessoalmente, acho que os mecanismos de controle têm melhorado. Mas não deixa de ser bizarro um país em que um programa político tenha de ser realizado pela Policia Federal, e não pelos eleitos. A luta contra a especulação imobiliária em Natal e também, recentemente, em Florianópolis, foi realizada também pela polícia, numa espécie de vácuo político. Houve uma reação rápida da Câmara, expulsando um vereador. Não é preciso sempre esperar o PSOL.
Entre o Banco Mundial e o PSOL há um vínculo importante: ambos denunciam a corrupção. E não deixa de ser bizarro o país onde o único partido que contribui, nesse ponto, para um capitalismo mais sério é um pequeno partido socialista. Terei pelo menos um bom tempo para ruminar essas estranhezas. E para completar deveres de casa adiados. Agosto é sempre o mês mais eletrizante no Brasil.
assessoria@gabeira.com.br

FERNANDO GABEIRA escreve aos sábados nesta coluna.

Nenhum comentário: