27 de mai de 2007

Entrevista com Gabriel Cohn, diretor da fflch

Publicada na Folha de São Paulo de hoje.


"Universidade não é "brinquedo caro"

Diretor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, Gabriel Cohn é contra a invasão da reitoria, mas pró-autonomia

SYLVIA COLOMBO
DA REPORTAGEM LOCAL

A pauta de reivindicações dos estudantes que ocuparam a reitoria da USP é extensa e mistura alhos com bugalhos.
Para quem vê de fora, é difícil entender como o número de refeições a ser oferecido pelo chamado "bandejão" pode se relacionar a uma suposta ameaça à autonomia universitária.
Mas o fato é que o movimento dos alunos, acompanhado da greve decretada pelos professores na última quarta, voltou a acender um debate sobre o papel da universidade pública no Brasil.
Se isso é bom ou mau, entretanto, parece tratar-se de uma outra história.
O cientista político Gabriel Cohn, diretor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP [FFLCH], é contra a invasão promovida pelos alunos e acha que ela danifica a imagem da universidade na sociedade. "Ela prejudica as relações internas e, do ponto de vista externo, tende a desmoralizar a instituição", diz na entrevista a seguir.
Para Cohn, o único decreto do governador José Serra (PSDB) que pode causar dano futuro e que merece ser discutido é o que estabelece a criação da Secretaria de Ensino Superior, a cargo de José Aristodemo Pinotti.
O decreto é parte de um conjunto que, segundo os manifestantes, coloca em jogo a autonomia da instituição.
Um dos mais polêmicos é o número 51.636, que obriga os órgãos públicos do Estado a fazer a execução orçamentária no Siafem (sistema eletrônico do governo). O governo do Estado nega que tais medidas possam ferir a autonomia das universidades estaduais.


FOLHA - A ocupação parece ter ganho uma dinâmica e força próprias desde que teve início. O sr. acredita que o movimento dos estudantes foi subestimado pela comunidade universitária e pela sociedade?
GABRIEL COHN - Esse movimento condensa um grande número de linhas de força na sociedade, bastante díspares. Ele é muito complexo, mesmo quando parece agir de maneira simples, e assinala uma reconfiguração interna da universidade, que devemos tentar compreender antes que a instituição toda vá de roldão.

FOLHA - A imprensa parece ter percebido tarde a polarização do movimento e o aumento da temperatura do embate entre estudantes e reitoria. Acredita que isso seja mais um sinal do distanciamento entre universidade pública e os meios de comunicação?
COHN - Imprensa e universidade deveriam ter tudo a ver, mas, de fato, parecem "desafinadas". Como elas se voltam de modos diferentes para a sociedade, nenhuma conseguiu definir bem o que a outra espera dela e, a sociedade, de ambas. É uma tarefa urgente.

FOLHA - O sr. acha que a ocupação marca um novo momento no movimento estudantil brasileiro? É possível traçar paralelos quanto à importância do posicionamento dos estudantes na sociedade hoje e nos anos do regime militar?
COHN - De imediato, me parece que assinala um grave problema que a sociedade brasileira (e não só ela) enfrenta, que é o da crise da representação política, em todos os seus níveis e dimensões.

FOLHA - O governador disse que a ocupação da reitoria da USP era baseada em "mentiras". O sr. considera que os decretos de fato ferem a autonomia universitária?
COHN - Há má informação generalizada. Por exemplo, as universidades públicas prestam, sim, contas ao erário.
Quanto aos decretos, o ponto não é tanto que causem dano direto à autonomia aqui e agora, mas que, especialmente no caso do primeiro deles [que estabelece a criação da Secretaria de Ensino Superior], há toda condição para isso no prazo mais longo, no que se refere à vital relação entre ensino e pesquisa.

FOLHA - Como o movimento danifica a imagem da universidade? Os críticos do atual sistema, por exemplo, apressam-se em usar episódios como esse como argumento para discutir a própria existência da universidade pública e os gastos que o Estado tem com ela.
COHN - Nesse ponto entro em área de controvérsia. Creio que, independentemente dos objetivos procurados, um movimento como esse, centrado na ocupação do centro nervoso da universidade e voltado para um processo de negociação viciado desde o início, acaba causando mais mal do que bem.
Mas nada de demonização: a sociedade deve tomar conhecimento de que episódios desse tipo dizem tanto sobre a vitalidade da universidade quanto sobre a sua dificuldade para ajustar-se às novas exigências que ela próprio contribui para criar, ao se expandir como vem fazendo. Seja como for, a idéia de que a universidade pública é uma espécie de "brinquedo caro" é falsa e deve ser combatida sem descanso.

FOLHA - Há uma crítica corrente (ver em http://ocupacaousp.blog.terra.com.br) de que a FFLCH estaria mais presente no movimento devido à tradição "encrenqueira". O que o sr. pensa disso?
COHN - Até pelo seu tamanho e pela diversidade interna (da aerofotometria ao sânscrito, com dezenas de escalas), alimentados ambos pela sua tradição de contestação e crítica, a FFLCH tem especial visibilidade. Mas seria erro grave imaginar que a turbulência se esgota nela. Fazer isso significaria perder de vista as múltiplas formas de experiência que a universidade comporta e o modo como elas se entrelaçam nos momentos de crise.

FOLHA - Independentemente do desfecho desse episódio, acredita que a autonomia universitária deveria ser rediscutida com o Estado?
COHN - A autonomia universitária é um desafio constante naquilo que diz respeito ao seu exercício. Nesse nível, ela deve ser discutida com o Estado e a sociedade, sempre.
Para isso, todavia, é preciso que a universidade esteja segura da sua integridade institucional e dos recursos para mantê-la.

4 comentários:

Anônimo disse...

[B]NZBsRus.com[/B]
Dont Bother With Idle Downloads With NZB Files You Can Hastily Search HD Movies, PC Games, MP3 Albums, Applications and Download Them @ Rapid Rates

[URL=http://www.nzbsrus.com][B]Newsgroup Search[/B][/URL]

Anônimo disse...

Monitor up on Our Dastardly Prices at www.Pharmashack.com, The Elementary [b][url=http://www.pharmashack.com]Online Chemist's boutique [/url][/b] To [url=http://www.pharmashack.com]Buy Viagra[/url] Online ! You Can also Think of All-inclusive Deals When You [url=http://www.pharmashack.com/en/item/cialis.html]Buy Cialis[/url] and When You You [url=http://www.pharmashack.com/en/item/levitra.html]Buy Levitra[/url] Online. We Also Guests a Signal Generic [url=http://www.pharmashack.com/en/item/phentermine.html]Phentermine[/url] In holdings of Your Regimen ! We Barter Stratum title [url=http://www.pharmashack.com/en/item/viagra.html]Viagra[/url] and Also [url=http://www.pharmashack.com/en/item/generic_viagra.html]Generic Viagra[/url] !

Anônimo disse...

proctor in reference to all to be aware this gratis [url=http://www.casinoapart.com]casino[/url] collateral at the erudite [url=http://www.casinoapart.com]online casino[/url] criterion with 10's of untested [url=http://www.casinoapart.com]online casinos[/url]. brown-nose a vest-pocket with [url=http://www.casinoapart.com/articles/play-roulette.html]roulette[/url], [url=http://www.casinoapart.com/articles/play-slots.html]slots[/url] and [url=http://www.casinoapart.com/articles/play-baccarat.html]baccarat[/url] at this [url=http://www.casinoapart.com/articles/no-deposit-casinos.html]no defined forth casino[/url] , www.casinoapart.com
the finest [url=http://de.casinoapart.com]casino[/url] to UK, german and all on ace of the world. so in search the treatment of the meridian [url=http://es.casinoapart.com]casino en linea[/url] skep us now.

Anônimo disse...

You could easily be making money online in the hush-hush world of [URL=http://www.www.blackhatmoneymaker.com]blackhat seo world[/URL], You are far from alone if you have no clue about blackhat marketing. Blackhat marketing uses alternative or little-understood methods to generate an income online.